Off-road na Serra da Canastra

Texto: Gui Foster (@duasrodaspelomundo)| Fotos: Gui Foster e Gustavo Carvalho (@4ridemotorcycle)

Atualmente, ouço muito falar que devemos sair da zona de conforto. No mundo das duas rodas, para mim, isso significa sair do asfalto para um off-road. Depois de mais de 200 mil km rodados no asfalto, começar no mundo off-road não foi nada fácil. Mas, já que era para sair da zona de conforto, nada melhor do que fazer isso em um lugar incrível como a Serra da Canastra, em Minas Gerais. Essa é a segunda vez que vou à Canastra com a organização do pessoal da Go4ride, em parceria com a 4Ride, e compartilho com vocês um pouco dessa experiência.

A aventura começou na sexta-feira de manhã. Com nossas motos, saímos de São Paulo em direção a São João Batista da Glória, em Minas Gerais. Em vez de escolher o caminho mais rápido e direto, decidimos, claro, ir pelo mais divertido. Além do dia perfeito para rodar, com clima excelente, a paisagem do sul de Minas Gerais é simplesmente incrível.

Depois de 6 horas de viagem, chegamos à Pousada Alecrim, em São João Batista da Glória. Sem perder muito tempo, partimos para a degustação de queijos, linguiças e Chopp Artesanal – tudo isso fazia parte do pacote. A Serra da Canastra é famosa pela qualidade dos queijos. Para um louco por queijos como eu, foi um prato cheio. Espetacular! Como o dia seguinte seria repleto de aventura e acordaríamos cedo para viajar, não demorou muito para todos se recolherem.

O dia seguinte começou com aquele café da manhã caprichado que se espera de uma pousada em Minas Gerais. Depois de repor todas as energias – e calorias –, empacotamos todos os equipamentos necessários para curtir a aventura e fomos para o ponto de encontro. Chegando lá, o nosso experiente guia Wallace, que conhece a Serra da Canastra como a palma da mão, nos deu uma verdadeira aula de como pilotar uma moto na terra.

As motos utilizadas foram as CRF 250 da Honda, todas praticamente novas. Trata-se de uma máquina bem ágil e arisca – tudo o que se espera de uma moto para esse tipo de aventura. O posicionamento do corpo e a técnica de pilotagem são bem diferentes do que estou acostumado no asfalto. Sem dúvida alguma, estava finalmente fora da minha zona de conforto. Depois da aula, treinamos um pouco e chegou a hora de conhecer a Serra da Canastra em duas rodas.

Ao contrário da estrada, na terra, devido a poeira, acabamos andando um pouco mais afastados uns dos outros para melhorar a visibilidade. Com isso, fiquei 100% focado na trilha. A sensação é vivenciar um momento em que nada que está acontecendo no mundo importa – e não cair se torna a maior preocupação… hehehe. Depois de cruzar o primeiro córrego, foi possível ver a alegria na cara de todos. Nada como fazer algo totalmente diferente para despertar essa sensação genuína.

Cada curva é um novo aprendizado. O esforço é focar totalmente em esquecer a memória muscular do asfalto e criar uma nova para a terra. A primeira parada foi no topo de uma queda d’água, um visual INCRÍVEL da região. Ali, realmente, percebi o quão isolados estávamos da civilização. E a aventura estava apenas começando.

Quando já estávamos mais acostumados à trilha, chegamos em um ponto em que paramos as motos e subimos de dois em dois para colocar em prática tudo que havíamos aprendido mais cedo na teoria. Ali eu enrolei o cabo como se não houvesse amanhã. Mesmo indo bem devagar em comparação a um piloto de off-road experiente, a adrenalina foi a mil!

Depois de todo esse desafio, chegamos no ponto mais técnico da experiência. Uma decida com bastante pedras soltas em que desce somente um piloto por vez. Ainda bem que nosso guia Wallace passou instruções fundamentais para ultrapassarmos o trecho com segurança. Senti uma combinação de tensão com adrenalina – e foi um aprendizado incrível. Nesse momento, percebi como é importante o posicionamento correto do corpo, não apenas nas curvas do asfalto, mas também na terra. Sem dúvida, foi uma experiência que irá agregar bastante à minha pilotagem na estrada. Depois dessa experiência incrível, paramos em uma das nascentes do Rio São Francisco para nos refrescarmos um pouco.

Para o almoço, paramos em um local que servia a típica comida mineira, perfeita para repor as energias e seguirmos nossa jornada. A paisagem foi ficando cada vez mais bonita, principalmente com o sol se pondo. Foi impossível não relaxar e esquecer dos problemas do cotidiano. Por conta de alguns contratempos, nosso passeio se estendeu um pouco mais do que o esperado. Então, a noite chegou e nós ainda estávamos na estrada. Cheguei até a cruzar um outro córrego à luz da lua. Havia a opção de ir por uma ponte, mas a aventura falou mais alto e não pensei duas vezes. As motos são feitas para trilha, portanto, apesar de bem novas, o farol não é dos melhores. Sinceramente, isso só acrescentou à aventura.

Quando nos sentamos para jantar, a pilotagem noturna já havia virado uma ótima história, afinal, depois de mais de 140 km de off-road, chegamos no nosso destino fisicamente muito cansados, mas com as baterias mentais recarregadas.

No final do jantar, entrevistei um a um para o vídeo do canal e ficou evidente que todos gostaram muito da experiência e não veem a hora de voltar para a Serra da Canastra. Como não poderia ser diferente, trouxe um pouco da Canastra comigo para São Paulo, na forma de um delicioso queijo que reservei na pousada no primeiro dia.

Um breve vídeo da experiência

Tenho que deixar meu agradecimento especial à excelente organização da Go4Ride (@go4ridemototurismo), em parceria com a 4Ride (@4ridemotorcycle), especial desde a recepção até o cuidado com os detalhes, passando pela essencial segurança de todos os participantes. Caso você tenha interesse em vivenciar essa experiência, entre em contato com a Go4Ride que eles vão te auxiliar em tudo que for necessário para uma experiência incrível! Sem dúvida alguma, eu vou voltar!

Até a próxima!

Go4Ride: https://go4ride.com.br/adventure/?filtro=2

Contato: 11-98137-2195

E-mail: contato@go4ride.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *