Review XDiavel 2018

Para aqueles, como eu, que estão acostumados a andar em motos do estilo custom, a XDiavel já começa a surpreender com o seu visual intrigante, que é uma mistura interessante de ambas as categorias, as custom e as esportiva — essas últimas a principal especialidade da marca italiana. O baixo centro de gravidade, com a posição de pilotagem e o visual longo e baixo, veio das estradeiras, mas o coração da moto, o seu motor, é 100% esportivo.

Outro ponto que, de cara, chama a atenção na XDiavel é o seu design agressivo, principalmente por causa da roda traseira com largo pneu de 240mm que estão completamente expostos devido à balança apenas do lado esquerdo da moto. O motor Ducati Testastretta DVT 1262 traz também um design interessante e que foge do senso comum, com dois pistões em um “V” (que também incorpora uma bomba de agua dentro do “V”) bem mais aberto que as customs convencionais, assim como os detalhes na roda da frente que possuem o acabamento contrast cut (preto com polido) das rodas traseiras, porem com dois freios brembos poderosíssimos! O ronco do motor já sai da fábrica potente e sem nenhuma ponteira esportiva. Como não poderia deixar de ser em uma moto dessa categoria, a tecnologia embarcada é fora de série e inclui diferentes modos de pilotagem, como Cidade, Touring e Sport, que modificam as características da máquina de acordo com a necessidade. No modo Cidade, a moto fica mais “mansa”, diminuindo o torque, facilitando a pilotagem no trânsito das metrópoles e, last but not least, deixando-a um pouco mais econômica. No Touring, ela se comporta de maneira bem balanceada para pegar a estrada. Já no modo Sport, prepara-se!, a moto fica bem arisca.

Inicialmente, por conta do design, pensei que a XDiavel não fosse ideal para as curvas, como acontece com muitas customs de pneu traseiro largo. Porém, após testá-la nas curvas da Estrada dos Romeiros, no interior de São Paulo, mudei totalmente minha opinião! A moto tem um ângulo de deitada de 40 graus e o pneu largo traseiro não dificulta em nenhum aspecto a dirigibilidade nas curvas, sejam de baixa ou alta velocidades. Com um motor de 1262 cilindradas, 152 cavalos, torque de 12,8 Kgfm e um peso de 262kg (a seco), esta máquina tem uma potência fora de série. Até por isso, é importante ser cauteloso ao acelerá-la, por conta do aumento do consumo de combustível. A suspensão traseira da moto, para uma cidade como São Paulo, é um pouco dura. Porém, na estrada, sua verdadeira vocação se apresenta, e ela se comporta de maneira fenomenal, dando muita segurança em curvas de alta velocidade.

A configuração de moto que testei é provavelmente a ideal para alguém que tenha 1,80m de altura ou mais. No meu caso, que não são os 1,80m de altura, eu fico um pouco mais curvado e com as pernas um pouco mais esticadas do que gostaria. Nesse caso, vale lançar mão dos vários acessórios disponíveis (no total 90 posições ergonômicas diferentes), como guidão mais recuado e comandos central menos avançados, que, com certeza, deixam a moto mais confortável para qualquer estatura.

Seu painel é de fácil utilização, com possibilidade de acesso às diversas estatísticas da moto. Outro destaque é a função launch assistant, que pode ser usada para arrancadas, na qual são disponibilizadas no painel instruções para uma arrancada melhor. A única coisa que eu não me acostumei foi o “gatilho” do farol alto. Muito bom para piscar a luz alta, mas acabou sendo acionado de forma não intencional com frequência por conta da proximidade com as manoplas e o tamanho da minha luva. Portanto tive que prestar atenção constantemente para não ligar o farol alto.

Levando tudo isto em consideração, a XDiavel é uma moto fora de série e extremamente divertida de pilotar. Recomendo para quem gosta do mundo custom, mas quer um pouco mais de adrenalina! Realmente é uma máquina!

 

Texto e fotos: Gui Foster
Siga meu insta @duasrodaspelomundo

5 thoughts on “Review XDiavel 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *