Monster 797 é a porta de entrada para o mundo de alta performance da Ducati

Texto: Gui Foster (@duasrodaspelomundo)| Fotos: Gui Foster e Kadu Pinheiro (@kadupinheiro_roadpics)

Não é incomum muitos pilotos se sentirem um pouco intimidados com a fama de performance extrema das motos da Ducati. Mas, se esse for o seu caso, pode ficar tranquilo porque testei uma opção que vai desmistificar essa impressão. A Monster 797 é, sem dúvida alguma, uma ótima moto para quem busca ingressar no mundo da montadora italiana. Mas, antes de começar o review, gostaria de deixar registrado o meu agradecimento à Ducati Brasil (@ducatibrasil), que me cedeu essa máquina em que rodei 612 km.

A Monster 797 é a porta de entrada para um mundo voltado à alta performance. Com motor de 803 cilindradas capaz de produzir 7 kgfm de torque e 76 cv, é uma moto que tem potência de sobra para garantir a diversão. Ao mesmo tempo, não gera aquela intimidação mais forte, como ocorre com a Panigalle, o modelo de maior performance da Ducati.

Peguei a moto em uma sexta-feira de manhã na cidade de São Paulo. Ou seja, saindo da concessionária já enfrentei o trânsito caótico esperado da capital paulista. Mesmo com as condições adversas para um primeiro contato com a moto, não tive problemas em me adaptar. A agilidade da Monster 797 no trânsito é surpreendente. Com uma distância entre-eixos de 1,43m e pesando apenas 193 kg, foi tranquilo transitar entre os carros na hora do rush. O banco fica a 805 mm do solo, algo comum para uma moto com estilo de pilotagem mais esportiva. Como todo motociclista em São Paulo sabe, freio é algo muito importante, pois invariavelmente você vai levar alguma fechada. Com duas pinças de freio Brembo na frente e o sistema de ABS Bosch, você pode ficar tranquilo que vai parar com segurança quando for necessário.

Minha única ressalva, principalmente se é sua primeira moto de maior desempenho, fica por conta do controle de embreagem. Como o motor é arisco e potente, fique atento com relação à rapidez em soltar a embreagem ou você pode se surpreender com a rápida entrega de torque e perder o controle.

Após pilotar a moto por um dia em São Paulo, no sábado, finalmente, pude sair da cidade e colocar a Monster para rodar onde realmente é divertido. O destino escolhido foi Pedreira, para poder testá-la em diferentes condições de pista. Saindo do trecho urbano, já peguei a Rodovia dos Bandeirantes. Para quem não conhece, é uma estrada com múltiplas faixas de rolagem. O câmbio de 6 marchas responde muito bem mesmo na última marcha, sem necessidade de reduzir para pequenas ultrapassagens. Rodei cerca de 150 km na velocidade de cruzeiro (120 km/h) e, nesse trajeto, não tive problema com o vento mesmo com o estilo “naked” da moto. Porém, em viagens mais longas (acima de 300 km), pode ser algo desconfortável. Vale lembrar que a proposta da Monster 797 não é enfrentar longas distâncias. Para isso, a Ducati tem motos como a Multistrada.

Quando cheguei às estradas secundárias e fiz a primeira curva mais fechada, realmente senti e entendi o propósito dessa máquina. A moto é feita para se divertir, ainda mais para quem gosta de um percurso sinuoso como eu! Os pneus Pirelli Diablo Rosso II são bem esportivos e me senti confortável em deitar bastante nas curvas. Somente fique atento ao controle da moto nas curvas de baixíssima velocidade onde o contraesterço não é utilizado. Como a Monster 797 tem um centro de gravidade relativamente alto, é necessário usar o seu corpo com eficácia para esse tipo de manobra. Na volta de Pedreira, escolhi a Rodovia Fernão Dias, uma rota que tem um bom mix de retas com curvas de alta velocidade. Novamente, a moto não decepcionou, principalmente na serra próxima a São Paulo, onde o percurso é mais sinuoso.

Além de testar a máquina a caminho de Pedreira, também aproveitei o domingo de sol para passear na gloriosa Estrada dos Romeiros – um destino muito conhecido pelos motociclistas paulistanos que apreciam um trajeto repleto de curvas. Como já estava bem mais acostumado com a Monster, esse trajeto foi ainda mais divertido do que no dia anterior e realmente pude fazer aquela mototerapia de que tanto gostamos. Na volta, peguei um pouco de chuva e, como era de se esperar, o pneu traseiro joga um pouco de água nas costas. Nada alarmante, somente um ponto que deve ser lembrado. Também aproveitei para fazer algumas imagens que vocês podem ver no vídeo abaixo:

Referente à parte estética, antes de vê-la ao vivo, tinha certo receio da cor branca, pois estava acostumado com o clássico tom vermelho da Ducati. Porém, ao me deparar com a moto pela primeira vez, mudei de opinião! O branco fosco realmente é uma cor diferenciada. Vale lembrar que também está disponível a opção em vermelho para o ducatista fiel às raízes da montadora italiana.

Quando falamos de tecnologia embarcada, ao contrário da versão 1200, a Monster 797 não vem com a opção de diferentes modos de pilotagem, como chuva, sport, cidade, etc. No entanto, como a proposta é ser uma moto de entrada para Ducati, acredito que está condizente com o oferecido. O painel de LED é relativamente fácil de ler durante a pilotagem, mostrando o indicador de velocidade digital, curva de RPM, marcha e hodômetro. Algo de que senti falta foi algum indicador de combustível e de autonomia, pois existe somente a luz da reserva do tanque. Já um bônus que me surpreendeu foi a tomada USB, o que facilita carregar a bateria do celular.

Considerações finais

Como já disse algumas vezes, é fundamental ter em mente que a proposta da Monster 797 é ser a porta de entrada para o mundo de alta performance da Ducati. Se você acabou de tirar a carta, talvez não seja uma opção adequada para uma primeira moto. Porém, se já tem um pouco de experiência e busca ingressar nesse mundo, ela é uma ótima opção. Pode-se questionar se não seria melhor comprar logo uma Monster 1200 no lugar da versão com menos potência. Nesses casos, primeiramente, deve-se levar em consideração as condições financeiras, uma vez que a Monster 797 custa R$ 44.900 enquanto a versão 1200 sai por R$ 65.900. Além disso, não indicaria a versão 1200 a alguém sem experiência com motos de alta performance. Já pilotei a Monster 1200 em pista fechada e realmente é uma moto fenomenal, mas requer certa experiência para controlá-la com tranquilidade. É realmente um CANHÃO e em breve vamos fazer um review exclusivo dela.

Opções de customização:

Quando falamos em motos voltadas à performance, normalmente as opções de customização se restringem em aumentar a potência. A moto possui um ronco legal e com apenas uma ponteira irá ficar ideal. Em relação à estética, eu colocaria espelhos retrovisores menores, no estilo Rizoma. Também trocaria os piscas traseiros para a versão LED que a própria Ducati oferece.

Ficha técnica:

  • Motor L-Twin Desmodue 803cc
  • Potência 76 cv @ 8.250 rpm
  • Torque 7,0 kgf.m @ 5.750 rpm
  • Altura do assento 805 mm
  • Distância entre eixos 1.435 mm
  • Peso seco 175 kg
  • Sistema de Freios Brembo equipados com Bosch 9.1 MP ABS

Veja também nosso review da Ducati XDiavel

4 thoughts on “Monster 797 é a porta de entrada para o mundo de alta performance da Ducati

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *